É possível superar a depressão?

26/05/2014 09:35

Quero falar hoje um pouquinho desta doença que tem afetado milhões de pessoas em todo o mundo.

Viver com depressão e/ou conviver com alguém que está deprimido não é fácil. A doença mental do século XXI é incapacitante, acabando por condicionar (às vezes de forma severa) o rendimento profissional e académico, as relações afetivas e, claro, o amor-próprio.

Depressão é um termo que vem do latim de (baixar) e premere (pressionar), isto é, deprimere, que literalmente significa "pressão baixa".

É relativamente recente, tendo sido introduzido no debate sobre a melancolia em contextos médicos somente no século XVIII, passando a ser mais utilizado pelos psicopatologistas no século XIX.

A Depressão é um Transtorno Afetivo (ou do Humor), caracterizado por uma alteração psíquica e orgânica global, com consequentes alterações na maneira de valorizar a realidade e a vida.

O Afeto é a parte de nosso psiquismo responsável pela maneira de sentir e perceber a realidade.

 

Todos nós sentimos e passamos por altos e baixos no nosso humor. A tristeza é uma reação normal às situações de vida, tais como lutas, zangas, perdas, derrotas e decepções. Muitas pessoas usam a palavra “depressão” para explicar estes tipos de sentimentos, mas a depressão é muito mais do que tristeza. Algumas pessoas descrevem a depressão como “viver num buraco negro” ou ter um sentimento de desgraça constante. No entanto, algumas pessoas deprimidas não se sentem tristes por tudo, em vez disso, sentem-se sem significado na vida, como se a vida fosse vazia e apática.

Seja qual for o sintoma, a depressão é diferente da tristeza normal ou da simples desmotivação, na medida em que anula o seu dia-a-dia, interferindo com a sua capacidade de trabalhar, estudar, comer, dormir e divertir-se. Os sentimentos de desamparo, desesperança, inutilidade são intensos e implacáveis, com pouco ou nenhuma alívio.

 

A Depressão é uma das doenças psiquiátricas mais frequentes. Uma em cada quatro mulheres e um em cada dez homens, podem vir a ter crises depressivas durante a vida desde a juventude até à terceira idade.

 

Como se desenvolve a depresão?

Na depressão como doença (transtorno depressivo), nem sempre é possível haver clareza sobre quais acontecimentos da vida levaram a pessoa a ficar deprimida, diferentemente das reações depressivas normais e das reações de ajustamento depressivo, nas quais é possível localizar o evento desencadeador.

As causas de depressão são múltiplas, de maneira que somadas podem iniciar a doença. Deve-se a questões constitucionais da pessoa, com fatores genéticos e neuroquímicos (neurotransmissores cerebrais) somados a fatores ambientais, sociais e psicológicos, como:

Estresse ,      Estilo de vida , Acontecimentos vitais, tais como crises e separações conjugais, morte na família, climatério, crise da meia-idade, entre outros.

 

Sintomas

 

Tratamento: incluem os anti depressivos e as psicoterapias

Psicoterapias

A psicoterapia tenta elucidar as causas cognitivas.

Na intervenção psicológica, tal como num tratamento dentário sério, as mudanças desejadas podem levar algum tempo.

 

Um psicólogo experiente não pode prometer milagres, nem sequer mudanças rápidas. Mas pode construir com o paciente uma aliança terapêutica que lhes permita olhar para as dificuldades com a profundidade necessária para que as mudanças ocorram.

• Terapia analítica ou psicanalítica 
Com objetivo de superar dificuldades e bloqueios que levam a depressão, um espaço favorável ao crescimento pessoal e ao conhecimento de si próprio.

• Terapêutica comportamental
Tem por objetivo colocar em evidência hábitos, comportamentos e pensamentos que possam favorecer o aparecimento de sintomas depressivos e procura convencer o deprimido a modificar o decurso dos acontecimentos, de forma a superar as suas próprias dificuldades.

• Terapia cognitiva
Ajuda a examinar os pensamentos e a visão da realidade e tem por objetivo modificar os pensamentos pessimistas. Procura ensinar o paciente a identificar eventuais visões distorcidas da realidade, a modificar crenças sobre si e sobre outros, aprender a mudar de postura e a ser mais proativo na resolução de problemas.

• Terapêutica interpessoal
Enquadra a modalidade de relação com os outros. É uma terapia de grupo que ajuda os doentes a compreenderem que não estão sós e que se podem ajudar mutuamente, encorajando-se entre si e discutindo os seus próprios problemas.

Dicas para ajudar a cura

• Viva a depressão sem tentar afastá-la
• Procure relaxar, meditar ou orar
• Faça exercício físico diário
• Procure ter um sono ideal
• Evite atividades excitantes
• Exposição à luz solar do início da manhã ou final da tarde
• Busca de atividades profissionais, desportivas, encontros e reuniões que constituem momentos de prazer
• Investir em lazer nos finais de semana, férias, etc. saindo da rotina casa , trabalho
• Procure um estilo de vida saudável alimentação, etc.

Sinais de cura

• Apto a viver a solidão
• Pronto a arriscar
• Não há procura de apoios ou garantias e há espaço para a vontade própria
• Aceitação de imprevistos
• Mudança na relação com a alimentação

Reinventar-se a cada dia, ter um gesto de aventura, ser espontâneo e autêntico é o caminho para a cura.

Fonte: https://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?102

Voltar

Contato

Psicóloga Patricia Arruda CRP: 46568
Estrada do Galeão - Ilha do Governador - Rio de Janeiro

+55 21 998932886

Notícias

Todos os artigos

© 2014 Todos os direitos reservados.

Crie um site gratuito

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!